ATLAS DA ACIDENTALIDADE NO

TRANSPORTE BRASILEIRO

OBJETIVO

Apresentar um conjunto coerente de informações sobre os acidentes de trânsito nas rodovias federais com especial enfoque aos acidentes que envolvem caminhões e ônibus.

METODOLOGIA

O conceito básico do Atlas da Acidentalidade no Transporte Brasileiro foi desenvolvido pelo Programa Volvo de Segurança no Trânsito para determinar, sob diversos pontos de vista, a magnitude e tendências evolutivas da acidentalidade nas rodovias federais brasileiras.

As análises estatísticas realizadas cobrem os acidentes registrados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), e têm como base o banco de dados dos acidentes envolvendo todos os tipos de veículos. Entretanto, a prioridade deste trabalho foi a análise detalhada dos acidentes com envolvimento de caminhões e ônibus.

Nesta terceira edição do Atlas da Acidentalidade no Transporte Brasileiro são apresentados os resultados da exploração do amplo e importante conteúdo informativo da base de dados de acidentes ocorridos nos 126.874 quilômetros da rede de rodovias federais do país, entre os anos de 2007 a 2016. A despeito do caráter essencialmente trágico associado a esta base, ela nos revela que, aparentemente, já estivemos o pior: observa-se, desde 2011, uma nítida tendência decrescente tanto no número de acidentes como no de vítimas e, particularmente, nos números de vítimas fatais.

No Atlas, uma análise estatística minuciosa, conduzida pela TecnoMetrica sobre esta base de dados, expõe – sob diversos ângulos – o seu rico conteúdo informativo. Ao lado de estatísticas globais, ou dados totais por rodovia, o Atlas apresenta ainda resultados longitudinais – ao longo das rodovias – que apontam os trechos de maior concentração de acidentes e de óbitos. A tabela abaixo apresenta como exemplo um sumário estatístico da base de dados a partir da qual o Atlas foi construído.

Rodovias Federais - Estatísticas Globais - 2007/2015

Acidentes de trânsito são eventos multidimensionais complexos. A análise comparativa entre dois conjuntos de acidentes é uma operação que demanda grande cuidado, para evitar conclusões equivocadas.

Evolução do índice médio de gravidade dos acidentes com vítimas na Rodovia Presidente Dutra.

Neste Atlas empregamos com frequência o critério IPEA, para a construção de um índice de gravidade (iG) de um acidente específico. Este índice considera exclusivamente as pessoas diretamente envolvidas no acidente e seu valor é definido pela vítima mais grave. Assim, acidentes sem vítima têm índice 1; acidentes com pelo menos uma vítima, mas sem óbitos, têm índice 5; acidentes fatais têm índice 25.

Generalizando, o índice de gravidade associado a um conjunto de acidentes é definido como a soma dos índices de gravidade individuais dos acidentes no conjunto considerado.

Um exemplo: a figura acima ilustra a evolução entre 2007 e 2015 do índice de gravidade global dos acidentes com vítimas registrados na Rodovia Presidente Dutra. Ela revela uma queda acentuada do nível de gravidade global dos acidentes ocorridos por ano, entre 2013 e 2015, e espelha uma tendência bastante generalizada – embora com algumas exceções – sobre toda a rede de rodovias federais.